Eventos marcam o Centenário da Irmã Adélia

 

Em dezembro deste ano de 2022, completa-se o centenário de nascimento da Irmã Adélia, que pode vir a se tornar a primeira santa pernambucana. No ano passado, oito anos após o falecimento da religiosa, a Igreja Católica admitiu que ela realmente pode ter visto Nossa Senhora das Graças. 

O documentário “Irmã Adélia, uma história de fé e solidariedade”, que traz depoimentos inéditos de lideranças religiosas, pesquisadores e pessoas que conviveram, de perto, com a freira, faz parte da programação do Centenário, além do lançamento de um site oficial dedicado a ela, para reunir depoimentos e notícias sobre o Processo de Beatificação e Canonização.

O Prof. Dr. Carlos Moura (UPE) é o presidente da Comissão Histórica da Causa de Beatificação de Irmã Adélia, participou das ações do centenário e informa que o pedido de beatificação está em análise pelo Vaticano, que deve se pronunciar sobre a abertura do processo nos próximos meses.

No ano passado, o bispo diocesano Dom José Luiz Salles enviou ao Vaticano, na Itália, uma Carta Pastoral onde reconhece a aparição de Maria a Irmã Adélia, mas o pedido pela beatificação e canonização da freira se iniciou em 2019 pela Diocese de Pesqueira.

“A nossa expectativa é que, nos próximos meses, a gente já tenha um posicionamento autorizando essas questões. Não existe nada que coloque em xeque a autorização dessa abertura. Eu acho que, inclusive, é um bom mote para o Papa Francisco autorizar essa abertura no ano do centenário”, destacou o presidente da comissão.

 

SOBRE IRMÃ ADÉLIA – Conhecida religiosamente como Irmã Adélia, Maria da Luz Teixeira de Carvalho, nasceu em Pesqueira, Agreste pernambucano, no dia 16 de dezembro de 1922. Mas foi no dia 6 de agosto de 1936, há 86 anos, que a vida dela mudou por causa de Nossa Senhora das Graças, quando ela viu a imagem de uma senhora vestindo um manto azul e branco, carregando uma criança nos braços. A religiosa presenciou outras aparições de Nossa Senhora, inclusive, depois da última aparição, em 1985, ela afirmou que foi curada de um câncer por graça da Santa. Irmã Adélia teve uma vida dedicada à fé e à solidariedade e faleceu no dia 13 de outubro de 2013, no Recife, aos 90 anos de idade. 

 

Programação do Centenário de Irmã Adélia
 
31/08 - Festa de Nossa Senhora da Graça
Local: Santuário Nossa Senhora da Graça, Cimbres, Pesqueira (PE) | 00h às 17h30
 
13/10 - Missa e lançamento do site e redes sociais dedicados à Irmã Adélia
Local: Colégio Damas, Recife (PE) | 11h
 
16/12 - Comemoração do Centenário e Lançamento do Livro Infantil sobre Irmã Adélia
Local: Colégio Damas, Recife (PE) | 11h

UPE comemora 35 anos do ambulatório da Casa de Chagas

 

Em comemoração aos 35 anos do Serviço de Atenção ao Paciente Portador de doença de Chagas (PROCAPE/CH/UPE), foi realizada uma Mostra Comemorativa, do dia 22 a 26 de agosto, no hall do Auditório Enio Cantarelli, no Procape.

A programação contou com gincana, música, exposição com temática “Criação da Rede Chagas/PE: Descentralizar é preciso”, oficinas de arte, panfletagem com orientações sobre a doença de Chagas, mostra científica comemorativa “Contribuindo com Ciência e Arte em Chagas” com curadoria das professoras Virgínia Lorena e Mariana Oliveira, e muito mais.

Estiveram presentes Wilson Oliveira (Diretor da Casa de Chagas), Ricardo Lima (Diretor do Procape) e Irmã Lucimar (Vice-diretora), além de médicos, servidores, funcionários.

A Casa de Chagas, ambulatório anexo ao Procape, abriga o ambulatório estadual de referência em doença de Chagas, Marcapasso, Arritmias e Insuficiência Cardíaca, além da sede da Associação dos Pacientes Portadores de Doença de Chagas, Insuficiência Cardíaca e Miocardiopatia de Pernambuco (APDCIM/PE) APDCIM, primeira Associação do mundo dedicada aos pacientes chagásicos.

A missão da ONG é dar assistência tanto na parte psicológica quanto na pessoal. Há reuniões semanais, nas quais médicos cardiologistas, assistentes sociais, psicólogas, enfermeiras e nutricionistas esclarecem dúvidas dos pacientes e orientam como devem se comportar quanto ao tratamento, já que possuem algumas restrições, mas podem seguir a vida normalmente se tomarem os devidos cuidados.

DOENÇA - O mal de Chagas não é uma doença democrática, existe devido às condições precárias de moradia e, em sua maioria, atinge a população pobre. O perfil dos pacientes atendidos se caracteriza por adultos, entre 30 e 50 anos, com predominância do sexo feminino, procedência rural, baixo nível socioeconômico, com precária formação escolar e profissional, o que não descarta a possibilidade de ser acometida numa classe social mais elevada.

Dentro desse contexto, e sendo a doença de Chagas classificada como uma doença extremamente negligenciada, pela Organização Mundial de Saúde (OMS) em 2010, a Secretaria Estadual da Saúde lançou o programa estadual de enfretamento às doenças negligenciadas "Programa Sanar". O Sanar passou a conduzir, de forma pioneira dentro do Estado de Pernambuco, todas as ações de assistência integral aos pacientes portadores de agravos negligenciados, tais como: Hanseníase, Tuberculose, Tracoma, Leishimaniose, Esquistossomose e Doença de Chagas.

A partir de então, o serviço da UPE em doença de Chagas, é reconhecido oficialmente como a Referência Clínica no Manejo Clínico de Pacientes com doença de Chagas do Estado de Pernambuco.

Comunicação Digital Acessível é tema em evento da UPE

 

Nesta terça-feira (30), às 19h, o Laboratório Interseccional de Gênero, Discurso e Direitos Humanos (LIGEDDH – UPE/CNPq) e o Grupo Mulheres do Brasil (núcleo Recife/comitê Vozes) vão promover um debate sobre a Comunicação Digital Acessível, com palestra de Daniela Rorato. O evento será realizado através do Google Meet e os participantes vão receber certificado.

O termo Inclusão Digital pode ser definido como o uso de ferramentas digitais a fim de proporcionar a Inclusão Social, não somente de pessoas com necessidades educativas especiais, mas de todos aqueles que são estigmatizados.

A ausência da inserção digital para pessoas com deficiência afeta o bem-estar e a garantia de direitos fundamentais, limita o acesso à informação, à educação e a bens e serviços. Segundo a Lei 13.146/15, a transitabilidade na internet, e fora dela, é obrigatória. Além disso, a exigência não é somente física, mas também acessibilidade web. Por esse motivo, todos os sites e blogs públicos precisam ser adequados para atender todos os indivíduos que possuam qualquer tipo de deficiência.

Para realizar a inscrição gratuita basta acessar esse LINK.

Sobre a nossa palestrante:
Daniela Rorato é empreendedora social, gestora de soluções inclusivas, jornalista e ativista que atua em defesa das Pessoas com Deficiências, integrante do comitê Vozes/Recife e mãe de Guto.

VII Jornada Nordeste de Serviço Social terá como tema " O Brasil em pandemias – Saúde, ética, econômica e social"

Começa nesta segunda-feira (29), de forma online, a partir das 17h, a VII Jornada Nordeste de Serviço Social da Universidade de Pernambuco que se consolida como um dos maiores eventos da área no Brasil. A abertura oficial contará com a presença da Reitora da instituição, Socorro Cavalcanti.

A solenidade de abertura terão apresentações culturais com a presença dos artistas Zezita Matos, atriz paraibana, Rosa Nonato, cantora baiana e Zelinaldo, cantos de Palmares.

O tema central deste ano é: "O Brasil em pandemias – Saúde, ética, econômica e social". A VII Jornada contará com oficinas, palestras e apresentação de trabalhos online.

Personalidades do mundo acadêmico confirmaram presença, entre eles Abidjan Rosa (CEO da Ike Social), Alexandra Mustafá (UFPE), David Delmont (FORUMSESO), Fábio Perroco (Espanha), entre outros. Os palestrantes abordarão aspectos importantes durante todo esse tempo de pandemia. 

Leia mais...

UPE aprova bolsas de pós-doutorado em Edital promovido pela Coordenação de Aperfeiçoamento de Pessoal de Nível Superior (CAPES)

 

A Universidade de Pernambuco aprovou, no âmbito do Edital CAPES nº 16/2022 – Programa de Desenvolvimento da Pós-graduação (PDPG) – Pós-Doutorado Estratégico, 100% das propostas submetidas, captando um total de 16 bolsas de pós-doutorado, que fomentarão a atividade de pesquisa de 16 doutores, distribuídos em 8 programas de pós-graduação da instituição (Biologia Celular e Molecular Aplicada; Hebiatria; Reabilitação e Desempenho Funcional; Ciências da Saúde; Engenharia da Computação; Enfermagem; Saúde e Desenvolvimento Social; e Engenharia de Sistemas).

Estes pós-doutores atuarão de forma a contribuir para o desenvolvimento de pesquisas em áreas estratégicas da ciência brasileira, realizadas pelos docentes credenciados a estes programas, buscando atuar para a elevação da qualidade das pesquisas em andamento e dos produtos científicos e técnicos esperados.

Dessas bolsas aprovadas, quatro serão direcionadas para programas que possuem suas sedes no interior do Estado de Pernambuco (Petrolina e Garanhuns), contribuindo para o processo de diversificação e interiorização da pós-graduação e pesquisa desenvolvida na Universidade de Pernambuco.

“Esse resultado é também uma vitória importante para UPE, tendo em vista que o programa de pós-doutorado PNPD/CAPES foi descontinuado em 2019 e na época comprometeu diversos projetos de pesquisa”, destaca o Prof. Byron Leite, Pró-reitor de Pós-graduação, Pesquisa e Inovação da UPE. 

 

RESULTADO